terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Plantago



A Erva da Adaptação

                    Ao criar equilíbrio interior, crio mais alegria em minha vida.

Para esta última semana de 2011, o Plantago nos traz uma mensagem de apelo ao equilíbrio.
Esta é uma pequena  planta  perene, discreta cuja algumas de suas 200 espécies crescem no mundo inteiro. O grande plantago ( Plantago major) sobreviveu a três glaciações na Grã-Bretanha, porém começou somente a florescer somente  após a deflorestação induzida pela a contrução das cidades. Entre as ervas, ele cresce até 30 cm de altura.
A carta acima nos mostra  um grande  plantago no verão, sua florescência  lembram um des seus nomes populares, rabo -de-rato. Ao fundo se ver um estreito caminho que leva  às pedras de Callanish sobre a Ilha de Lewis ( Escócia).

Um dos nomes gaélicos do plantago é slan-lus, planta que cura, mostrando a que ponto ele era estimado. Os Maoris e os povos Ameríndios o chamavam Englishman's foot, pé de inglês, por causa de sua tendência  a crescer aonde o homem branco  colocava seu pé. Na Grã-Betanha, além de ser chamado de rabo-de-rato, o denominam também  harpa de anjos, pois ao abrir suas folhas, percebemos fibras em forma de harpa.

 A fé em suas propriedades curativas  era tamanha que  gregos e romanos acreditavam  que o plantago curava cães raivosos. Crenças semelhantes são encontradas entre os amerídios que chamam ele também de cipó de serpente, e acreditam que o plantago neutraliza o veneno das serpentes, assim como também as mantém bem distante. Estudos modernos mostram que esta erva traz em si componentes anti-inflamatórios, antibacterianas e elementos  que estimulam o sistema imunitário. A mucilagem acalma os intestinos; os grãos do Plantago psyllium se tornaram recentemente populares nos regimes desintoxicantes.

Nas  folhas do plantago contém tanino, substâncias adstringentes e antivirais, o que as tornam ideais para uma aplicação sobre feridas. Suas propriedades são ativadas ao mastigar a folha seca ou fresca, depois basta colocar sobre a zona afetada. Não é de surpreender que o plantago  foi adotada rapidamente pela tradição fitoterápica maori e ameríndia.

Na época em que os tratados herboristas eram redigidos por gregos e romanos, os druidas já conheciam as propriedades curativas do plantago, e o incluiram em seu encantamento das "nove plantas", ou seja, artemísia, a cardamine hirsuta, o capim-arroz, a camomila, a urtiga, a maçã silvestre,  o tomilho e o funcho.



Os grãos das espigas do plantago antes eram vendidos como alimento para os pássaros. Os herboristas aconselham a substituir os grãos de linho por eles. Em nossos dias atuais, o extrato do plantago trata a bronquite e a tosse, pois como antiespasmódico, ele dilata os brônquios. A combinação de sua propriedade adstringente e de sua mucilagem calmante o torna ideal para o tratamento de úlceras, da síndrome do cólon irritado e hemorróidas.





Frase-chaves a última semana de 2011 (!):

Verificar se há necessidade de se melhorar seu equilíbrio interno.
-  Equilibre os hábitos alimentares.
-  Necessário discernir o que é melhor para si.
-  Busque olhar o outro lado do problema ou da questão, ou seja, seus prós e contras.
- Jogue fora o desnecessário da bagagem (emocional, mental, espiritual e física!)




Paz e Luz!









Nenhum comentário:

Postar um comentário